NOTÍCIAS

9ª audiência pública do GTCARTOR debate a importância dos fundos para as serventias de Registro Civil
08 DE OUTUBRO DE 2021


Tema foi debatido por representantes dos serviços Notariais e de Registro no país.  

Na tarde de desta quinta-feira (07.10), o Grupo de Trabalho Serventias Notariais e Custas Forenses realizou a 9ª Audiência Pública, na Câmara dos Deputados, em Brasília, para discutir o tema “Registro Civil e Tabelionato de Protestos”.

Para a audiência foram convidados o desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo e juiz auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça, Marcelo Berthe; a diretora da Associação Nacional dos Registradores de Pessoas Naturais (Arpen/Brasil), Karine Maria Boselli, e a diretora da Associação dos Registradores de Pessoas Naturais do Estado de São Paulo (Arpen/SP), Milena Guerreiro.

A audiência aconteceu de maneira hibrida, com convidados presentes no plenário e por vídeo conferência, e foi transmitida pelo site da Câmara e pelo canal no Youtube. Além dos convidados que expuseram suas opiniões sobre o tema, estiveram presentes também o presidente da Associação do Notários e Registradores do Brasil (Anoreg/BR), Claudio Marçal Freire e os deputados Delegado Pablo (PSL/AM), que presidiu a sessão, Celso Sabino (PSL/PA), Rogério Peninha (MDB/SC) e Darci de Matos (PSD/SC), que presidiu a sessão ao final.

Durante a sessão muito se falou e discutiu sobre a atual situação dos cartórios de Registro Civil, cuja maioria se encontra em uma situação deficitária, uma vez que muitos atos são gratuitos, como a certidão de nascimento e a de óbito.

O desembargador Marcelo Berthe destacou a importância do concurso público para os cartórios e ressaltou a dificuldade da prova. “É um engano imaginar que todos os cartórios sejam altamente rentáveis, pelo contrário, há cerca de 13 mil unidades de notas e registros nos país e eu diria que cerca de 90% dessas unidades são de baixa renda e deficitários”, explanou o desembargador sobre a atual situação dos cartórios brasileiros.

Em seu discurso, Milena Guerreiro, diretora da Arpen/SP, explanou sobre a importância dos cartórios de registro civil na vida das pessoas, e relatou sobre a atual situação deficitária de muitos cartórios. Ela ainda ressaltou que mesmo com essa situação os cartórios têm que se adequar às normas tecnologias e mudanças, o que implica em altos custos para esses cartórios que “sobrevivem” com o fundo de custeio. “Quando tratamos de registro civil, precisamos ter em mente que estamos tratando dos atos mais importantes da vida das pessoas, o nascimento, o casamento e o óbito. O registrador civil é o profissional que está presente em todos os municípios e na maioria dos distritos, em muitos casos ele e o representante jurídico daquela localidade”, explicou Milena em sua fala na audiência pública do GTCARTOR.

Ainda nas explanações dos convidados, a última a expor suas opiniões foi a diretora da Arpen-Brasil, Karine Maria Boselli, que falou sobre a importância dos fundos para compensação dos atos gratuitos. “O fundo nada mais é do que uma engrenagem que possibilita que sejam mantidos os atos gratuitos para a população. É um acordo que se pega uma parte dos emolumentos e se estabelece em favor de um fundo, que ressarce os atos gratuitos, que não são poucos”, disse Karine Boselli. Ela também destacou um importante fato ocorrido em tempos que pandemia do Covid-19, que foram os dados sobre a quantidade de óbitos pela doença que os registradores civis informam através da CRC Nacional.

Ao final foram abertas as falas para todos os presentes na sessão, e os deputados presentes e o presidente da Anoreg/BR puderam explanar também sobre a atuação e fundamental importância do serviço cartorário do registro civil para o país.

Fonte: Assessoria de Comunicação Anoreg/BR

Outras Notícias

Anoreg RS

“Inexiste, praticamente, um ato da vida civil que não passe por um serviço notarial e registral”
18 de outubro de 2021

Deputado Elizandro Sabino concedeu entrevista exclusiva à Anoreg/RS para falar sobre a sanção do Projeto de Lei...


Anoreg RS

TRF1 – É válida notificação extrajudicial expedida por cartório de outra comarca por via postal e entregue no endereço do devedor com AR
18 de outubro de 2021

A 6ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1), por unanimidade, negou provimento à apelação e...


Anoreg RS

Senado – Projeto permite que cônjuges sejam sócios, independentemente do regime civil de bens
18 de outubro de 2021

Cônjuges casados sob regime de comunhão universal de bens ou de separação obrigatória não podem ser sócios em...


Anoreg RS

Pré-venda com desconto: Qualificação Registral Imobiliária à luz da Crítica Hermenêutica do Direito – Equanimidade e segurança jurídica no registro de imóveis
18 de outubro de 2021

Adquira a obra de autoria de Jéverson Luís Bottega em pré-venda com desconto.


Anoreg RS

IRTDPJBRASIL – Protocolo de intenções firmado entre o IRTDPJBrasil e o INSS
18 de outubro de 2021

Os serviços decorrentes do presente Protocolo serão prestados em regime de cooperação mútua, não cabendo aos...


Anoreg RS

Escola IRTDPJBrasil lança concurso de artigos inéditos sobre Registro de Títulos e Documentos e de Pessoas Jurídicas
18 de outubro de 2021

A iniciativa é a Escola IRTDPJBrasil, sob a coordenação da professora Vanuza C. Arruda, oficial de RTDPJ em Ouro...


Anoreg RS

Jornal Contábil – União estável: tenho algum direito no caso de separação?
18 de outubro de 2021

Descubra quais os direitos e todas as informações sobre esse tipo de relacionamento.


Anoreg RS

Jornal Contábil – Casamento e União Estável: saiba no que consiste cada forma de união
18 de outubro de 2021

Casamentos e uniões estáveis garantem uma série de direitos para os companheiros, por isso, é uma decisão...


Anoreg RS

Consultor Jurídico – Regularização do direito de laje reduziria influência de milícias, diz professora
18 de outubro de 2021

O direito real de laje foi instituído no Código Civil em 2016.


Anoreg RS

Consultor Jurídico – Artigo – Certidão negativa de débitos fiscais não pode ser exigida para lavrar escritura
18 de outubro de 2021

Uma escritura pública, então, passa a ser nada mais do que um instrumento comprobatório da vontade das partes.